Seguidores

domingo, 28 de março de 2010

MÁRIO DE CARVALHO - Fantasia para dois coronéis e uma piscina




Em fantasia para dois coronéis e uma piscina, Mário de Carvalho trata a sociedade portuguesa do início do século XX com as suas contradições internas, a sua saloíce, aflorando os seus traumas e os seus desígnios, questionando-se mesmo, no final da obra, se "Há emenda para este país?". E toda esta narração, onde o real se cruza com os momentos mais delirantes produto da imaginação de Emanuel Elói (um jovem mestre de xadrez e vedor de água em contínua digressão pelo país no seu Renault 4) ou a destruição de uma estação de serviço por uma claque de futebol que se move de forma quadrúpede nos é narrada de forma quase anedótica, provocando o riso, ora pela aberração, ora pela ironia. Os protagonistas que dão nome à obra são dois coronéis reformados do exército, com experiência da guerra colonial e do 25 de Abril (que os viu em lados opostos) cuja grande parte das conversas tem lugar junto à piscina que um construiu num monte alentejano, algures perto de Serpa, onde gozam a reforma. O empresário de sucesso do Norte, a menina da estação de serviço, a esposa fina mas vernacular, o filho de 42 anos que permanece ligado aos tags (não aos graffitti)e polvilhado de piercings, completam as principais personagens desta hilariante obra cujo cenário é muito mais que o meio rural português povoado pelos regressados coronéis. Tal como em"Um Deus passeando pela brisa da tarde” é a decadência de um império que se sente nesta obra.


Texto: Wikipédia

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...