Seguidores

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

No Outono - Karl Ove Knausgård


 «28 de Agosto. Agora no momento em que escrevo isto, não sabes nada, nada do que te espera, do mundo a que vais chegar. E eu nada sei de ti. Vi uma imagem na ecografia, e pus uma mão sobre o ventre em que estás, é tudo. Faltam seis meses para nasceres e muito pode acontecer durante esse tempo, mas eu creio que a vida é forte e inexorável, e creio que tudo se vai passar bem contigo e que vais nascer perfeita, saudável e forte. Vir à luz, diz-se. Quando a tua irmã mais velha, a Vanja, nasceu, era de noite, uma das parteiras puxou-me, tu vais recebê-la, disse ela, e foi o que fiz, um bebé deslizou para as minhas mãos, escorregadio como uma foca. Eu estava feliz, até chorei. Quando a Heidi nasceu, um ano e meio mais tarde, era outono e o céu estava encoberto, o tempo estava frio e húmido como pode estar em Outubro, ela chegou de manhã, o parto foi rápido, e quando a cabeça estava de fora, mas não o resto do corpo, ela emitiu um pequeno som com os lábios, foi um momento tão sereno »



Capa e ilustrações do livro de Vanessa Baird.





Esta ilustração faz lembrar os trabalhos da pintora Paula Rego.


Karl Ove Knausgård nasceu em Oslo, na Noruega, a 6 de Dezembro de 1968 e cresceu em Tromøya e em Kristiansand. Estudou Artes e Literatura na Universidade de Bergen.
Publicou o seu primeiro romance aos 30 anos, Ute av verden, que recebeu o Prémio da Crítica Literária Norueguesa, nunca antes atribuído a uma primeira obra.
No Outono de 2009, Knausgård iniciou um projecto literário singular, a obra autobiográfica A Minha Luta, composta por seis extensos volumes. Com ela obteve vários prémios no seu país, recebeu elogios de escritores e críticos e conquistou centenas de milhares de leitores nas muitas línguas para que foi traduzida, eu fui um deles.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Lavoura Arcaica


Marcador de livros da editora Companhia das Letras no livro a Lavoura Arcaica de Raduan Nassar.

"Respondia sempre com um arroto tosco que valia por todas as ciências, por todas as igrejas e por todos os seremões do pai."


Lavoura Arcaica

Publicado em 1975, constituiu uma revelação e uma revolução, conquistando o estatuto de clássico da literatura brasileira.

Lavoura Arcaica, obra de Raduan Nassar, traz uma narrativa pesada, cheia de confusões; protestos; abstenções; amor de irmão com irmã deixando a narrativa ostensiva e cansativa. André se vê diferente de todos que cheio de pressões resolve fugir de casa, fato que remonta bem à narrativa bíblica do filho pródigo.

É um texto onde se entrelaçam o novelesco e o lírico, através de um narrador em primeira pessoa. André, o filho encarregado de revelar o avesso de sua própria imagem e, consequentemente, o avesso da imagem da família. Lavoura Arcaica é sobretudo uma aventura com a linguagem.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Em Nome da Ordem - Norberto Horta


 Autografo e dedicatória do escritor Norberto Horta no livro Em Nome da Ordem.
Em Nome da Ordem é o primeiro livro de Norberto Horta e também desta editora a Simon's Boocks.


Com este livro viajamos até 1450 acompanhados pelo mestre João da Piedade que empreende uma viagem de Palmela a Ferreira do Alentejo para adquirir cavalos para Sua Majestade o Rei. Numa viagem que devia de ser pacifica muita coisa vai acontecer e fazem com que o mestre se equacione se vale ainda a pena com a idade que tem fazer este tipo de missões, assim decide retirar-se da ordem e dedicar-se a uma vida pacata em Ferreira e será que o filho o Grão-Mestre e o próprio Rei estão de acordo.

Nada melhor que ler esta interessante história, muito bem escrita e de leitura muito agradável. 
Norberto Horta nasceu em 1981, em Figueira dos Cavaleiros. Topógrafo de profissão, foi desde cedo um apaixonado por História e pela sua aldeia. Trabalhou em diversos pontos no sul do país, embora quase sempre fora da sua região, apregoando sempre orgulhosamente as suas origens alentejanas. Em Nome da Ordem - Os Cavaleiros da Figueira é o seu primeiro livro.


Norberto Horta na Livraria A das Artes em Sines para apresentação da sua primeira obra.


Prosa Completa de Mário de Sá Carneiro



Prosa Completa de Mário de Sá Carneiro

SINOPSE

Aqui se reúne o essencial da prosa de Mário de Sá-Carneiro, autor maior do Modernismo português a par do seu amigo Fernando Pessoa. Incluem-se neste volume os contos de juventude publicados na revista Azulejo, o seu primeiro livro de contos Princípio, e as suas narrativas maiores A Confissão de Lúcio e Céu em Fogo, excluindo-se apenas alguns textos dispersos que não assumem grande relevância no conjunto da obra do autor. Esta obra tem ainda uma cronologia biográfica da autoria de Fernando Pinto do Amaral.

A Confissão de Lúcio, provavelmente a sua narrativa mais conhecida e emblemática, foi considerada por José Régio uma obra-prima, onde estão presentes três das suas obsessões: o suicídio, o amor e o anormal avançando até à loucura. Foi publicada pelo poeta em 1914.

Texto: https://www.wook.pt/livro/mario-de-sa-carneiro-mario-de-sa-carneiro/17651864

Pai Nosso


Pai Nosso romance estreia de Clara Ferreira Alves 

SINOPSE

"Porque tens medo desta história? Porque não sei se consigo contá-la direito." 

Neste livro, Beatriz, uma professora de estudos do Médio Oriente em Inglaterra, conta-nos a história de Maria ou Marie ou O Fantasma, fotógrafa de guerra de origem portuguesa que se tornou um ícone mundial.


Maria testemunhou tudo o que havia para testemunhar nos conflitos religiosos que assolam o mundo há mais de vinte anos, com relevo para a crise do Médio Oriente. Como foi possível chegarmos a este estado? Israel, Iraque, Afeganistão, Turquia, Síria, Marrocos, Nova Iorque, Londres, Paris, Lisboa. Geografias que se cruzam sucessivamente e onde se projetam acontecimentos inesperados.

Texto: https://www.wook.pt/livro/pai-nosso-clara-ferreira-alves/17001760

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Traços do Extremo Oriente - Wenceslau de Moraes


Livro de um autor que muito admiro pela sua obra e percurso de vida que é muito mal divulgado em Portugal, no Japão onde viveu é um autor de culto e estudado nas Universidades. A sua obra infelizmente só se encontra e com muita dificuldade em alfarrabistas.

Traços do Extremo Oriente da Editora Parceria A.M.Pereira numa 3ª edição de 1971 com 265 paginas.

Neste livro é patente o fascínio do autor pelo Oriente, em especial pelo Japão, consta, neste livro, em uma série de capítulos que tratam de suas Recordações do Sião, Lembranças da China e Saudades do Japão


 Algumas belas gravuras de pinturas que o autor foi coleccionando ao longo da sua vida em terras orientais.






quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Leituras 2016



Aqui está a minha lista de livros lidos no ano passado (2016) que não foi dos anos mais produtivos em leituras, mas infelizmente o tempo não dá para tudo e tive de tomar opções por motivos de saúde, comecei a fazer caminhadas e o grande sacrificado foram os livros.

01 - Um Homem Apaixonado - Karl Ove Knausgärd

02 - A Ilha da Infância - Karl Ove Knausgärd
03 - Stoner - John Edward Williams
04 - Astronomia - Mário Cláudio
05 - Flores - Afonso Cruz
06 - O dia em que Estaline encontra Picasso na biblioteca - Alice Cruz
07 - O Coro dos Defuntos - António Tavares
08 - Butcher's Crossing - John Edward Williams
09 - A Mulher da Lama - Joyce Carol Oates
10 - A Amiga Genial - Elena Ferrante
11 - História do Novo Nome - Elena Ferrante
12 - História de Quem Vai e de Quem Fica - Elena Ferrante
13 - História da Menina Perdida - Elena Ferrante
14 - Viagem a Itália - Goethe
15 - Prosa Completa - Mário de Sá Carneiro
16 - A Casa em Paris - Elizabeth Bowen
17 - Pai nosso - Clara Ferreira Alves
18 - Com os Holandeses - J. Rentes de Carvalho
19 - Os Anagramas de Varsóvia - Richard Zimler
20 - A Sentinela - Richard Zimler
21 - O Ultimo Cabalista de Lisboa - Richard Zimler
22 - A Sétima Porta - Richard Zimler
23 - Cinco Esquinas - Mário Vargas Llosa
24 - Hotel Locarno - António Mega Ferreira
25 - Longe de Manaus - Francisco José Viegas
26 - A Poeira que Cai Sobre a Terra - Francisco José Viegas
27 - O Paraíso Segundo Lars D. - João Tordo
28 - Homens Bons - Artur Perez-Reverte
29 - A Sul de Nenhum Norte - Charles Bukowski
30 - Na Sopa de Miso - Ryu Murakami
Se tivesse que eleger três livros da lista de leituras de 2016, o que não é nada fácil, escolheria a série A Minha Luta de Karl Ove Knausgärd uma autobiografia romanceada muito interessante e com uma escrita aliciante e que já vai no quarto volume, O Stoner de John Edward Williams e por último a Prosa Completa de Mário de Sá Carneiro.



domingo, 25 de dezembro de 2016

Livros de Natal 2016


Mais um Natal que passou e este deixou alguns livros no meu sapatinho, para enriquecer a minha biblioteca e fazer as minhas "delicias".

Eis os livros:



A Bússola de Mathias Enard
Norwegian Wood de Haruki Murakami
Lavoura Arcaica de Raduan Nassar
Quando ela era boa de Philipe Roth
Nem todas as baleias voam de Afonso Cruz
O Físico Prodigioso de Jorge de Sena
Dança no escuro de Karl Ove Knausgärd



O livro do Afonso Cruz que a minha filha Nádia me ofereceu neste Natal, foi ela que fez este belo e original embrulho que muito gostei. Muito obrigado Nádia e que nunca te falte a inspiração artística.


E este embrulho trazia o livro a Bússola que foi oferta de Natal da minha filha Teresa que ela comprou na Livraria Lello no Porto, conforme se pode ver pelo selo da livraria.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

A Máquina de Fazer Espanhóis - Valter Hugo Mãe

Dedicatória e autografo do escritor Valter Hugo Mãe.
A Máquina de Fazer Espanhóis

Esta é a história de quem, no momento mais árido da vida, se surpreende com a manifestação ainda de uma alegria. Uma alegria complexa, até difícil de aceitar, mas que comprova a validade do ser humano até ao seu último segundo. a máquina de fazer espanhóis é uma aventura irónica, trágica e divertida, pela madura idade, que será uma maturidade diferente, um estádio de conhecimento outro no qual o indivíduo se repensa para reincidir ou mudar. O que mudará na vida de antónio silva, com oitenta e quatro anos, no dia em que violentamente o seu mundo se transforma? 

Críticas de imprensa

«[...] com este livro, Valter Hugo Mãe aproxima-se a passos largos (e seguros) da maturidade plena.»
Eduardo Pitta, Público

«Um romance poderoso.»
José Mário Silva, Expresso

«Ler vhm é entrar numa viagem feita de imprevisibilidade enquanto estado humano de absoluta surpresa e espanto, de fortuitidade, de acaso, de percurso animado de múltiplos acidentes e peripécias que desviam a personagem de atingir o seu objectivo, atrasando-o, jogando-o por caminhos e situações insólitas e por sentimentos e estados interiores que lhe são totalmente desconhecidos, forçando-o a ceder ou a resistir, a recuar ou a avançar, a hesitar e a conciliar.»
Miguel Real, JL (less)




quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Isabel Rio Novo - Rio do Esquecimento

Autografo e dedicatória da escritora Isabel Rio Novo.
"Para o Francisco, espero que goste de navegar por este rio, com um grande beijinho da Isabel Rio Novo"

Rio do Esquecimento

Inverno de 1864. Sentindo a morte a aproximar-se, Miguel Augusto regressa do Brasil, onde enriqueceu, e instala-se no velho burgo nortenho, no palacete conhecido como Casa das Camélias, com a intenção de perfilhar Teresa Baldaia e torná-la sua herdeira. No mesmo ano, Nicolau Sommersen pensa em fazer um bom casamento, não só para recuperar o património familiar que o tempo foi esfarelando, mas sobretudo para fugir à paixão que sente por Maria Adelaide Clarange, senhora casada e mãe de três filhos. Maria Ema Antunes, prima de Nicolau e governanta da Casa das Camélias, hábil e amargurada com a sua vida, urdirá entre todos uma teia de crimes, segredos e vinganças.
Subvertendo as estratégias da narrativa histórica, com saltos cronológicos que deixam o leitor em suspenso mesmo até ao final, Rio do Esquecimento descreve com saboroso detalhe a sociedade portuense de Oitocentos e assinala o regresso à ficção portuguesa de uma escrita elegante que consegue tornar transparente a sua insuspeitada espessura.

«Uma técnica inteligente, uma bela escrita, um alto voo da imaginação.» 
Mário Cláudio


Isabel Rio Novo nasceu no Porto em 1972. Doutorada em literatura comparada, é docente no ensino superior de Escrita Criativa e outras disciplinas nas áreas da literatura e do cinema. Autora de várias publicações no âmbito dos estudos intermédia, das literaturas portuguesa e francesa e da teorização literária, já integrou o júri de vários prémios literários e de fotografia. Gosta de dizer poesia, embora não a escreva. Como ficcionista, começou a publicar dispersamente desde a adolescência. Em 2004, escreveu a novela O Diabo Tranquilo, em colaboração com o poeta Daniel Maia-Pinto Rodrigues. Em 2005, viu o romance A Caridade distinguido com o Prémio Literário Manuel Teixeira Gomes. Em 2014, publicou o volume de contos Histórias com Santos. O romance Rio do Esquecimento foi finalista do Prémio LeYa 2015.

Marcador de Livros - Rio do Esquecimento


Marcador de Livros - Isabel Rio Novo com o livro Rio do esquecimento da Editora Dom Quixote.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Paulo M. Morais - Uma Parte Errada de Mim

 Autografo e dedicatória do escritor Paulo Morais.
"Para o Francisco esta -Uma parte errada de mim- com um obrigado pela leitura e um abraço dos certos"

Uma parte errada de mim
Paulo M. Morais

Em meia dúzia de meses, Paulo M. Morais ficou sem trabalho, terminou um relacionamento de doze anos e viu-se obrigado a vender a casa. Embora derrotado pelas circunstâncias, queria estar à altura dessa nova etapa de vida e concentrou-se na missão de cuidar da filha pequena e reatar os laços com a avó centenária que o criara. Sobreveio, então, um estranho cansaço, uma exaustão que a médica de família inicialmente atribuiu às pressões de um ano atípico. Podia ser. E, porém, depois de vários sustos e vinte horas nas Urgências do hospital, a verdade veio ao de cima: tinha um linfoma.
Durante o tratamento de oito ciclos de quimioterapia (em que a leitura foi a sua grande companhia), começou a escrever sobre a sua experiência. Mas este livro, embora inclua dados sobre os exames, os internamentos ou os efeitos secundários da medicação, está longe de ser um diário da doença; representa acima de tudo uma revisitação do passado, uma reflexão sobre o valor da vida e a real importância das coisas e das pessoas, o elogio do amor e da paternidade, uma busca contínua das diferentes partes erradas – e certas – que constituem um ser humano que tem de confrontar-se diariamente com o espectro da morte.
Uma Parte Errada de Mim não é, pois, apenas MAIS um testemunho sobre o cancro. É uma reflexão magistral sobre a condição humana, escrita com a beleza e a cadência de um romance no qual se aguarda um final feliz.


Paulo M. Morais nasceu em Fevereiro de 1972 e cresceu nos arredores de Lisboa entre futebóis de rua, livros de aventuras e matinés de filmes clássicos. Licenciado em Comunicação Social, trabalhou como jornalista em imprensa e multimédia. Cumpriu um sonho de jovem ao fazer crítica de cinema no portal Terravista. Em 2005, pôs uma mochila aos ombros e partiu para dar a volta ao mundo. Oito meses depois, ao regressar, especializou-se nos temas de gastronomia e viagens. Quando finalmente se aventurou na escrita de romances, descobriu uma nova paixão. E nunca mais conseguiu deixar de inventar personagens e ficcionar histórias.

Em Abril de 2013, publica Revolução Paraíso, pela Porto Editora. Em Novembro de 2014 chega a vez de Estrada de Macadame, o seu primeiro romance inédito, ser lançado pela Coolbooks. Entre outros projectos, como o Colectivo NAU – Novos Autores Unidos, está a escrever um Romance Passageiro nas redes sociais, obra de ficção interactiva sem rumo ou final pré-definidos.

Publicou o romance O último poeta, na Poética e, em 2015, foi finalista do Prémio Leya com romance ainda não publicado.

Entretanto, já em 2016, publica Uma parte errada de mim.

Marcador de Livros - Uma parte errada de mim


Marcador de livros do Paulo M. Morais - Uma parte errada de mim da editora Casa das Letras.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

João Tordo - O Paraíso Segundo Lars D.

Dedicatória e autografo do escritor João Tordo no livro O Paraíso Segundo Lars D.

SINOPSE

Numa manhã de Inverno, Lars sai de casa e encontra uma jovem a dormir no seu carro. Ele é um escritor sexagenário e, poucas horas mais tarde, parte em viagem com a jovem deixando para trás um casamento de uma vida inteira e um romance inédito.
Este livro aparece na sequência do livro O luto de Elias Gro e vai sair um terceiro livro em breve, segundo consta talvez lá para Março do próximo ano.





No passado dia 22 de Outubro, o escritor João Tordo esteve na Biblioteca de Santo André para apresentar o seu último livro O Paraíso Segundo Lars D. aos seus leitores e seguidores que apareceram em bom numero, tendo sido uma conferência muito agradável, pois o João Tordo é um bom conversador.


 João Tordo nasceu em Lisboa em 1975. Licenciou-se em Filosofia e estudou Jornalismo e Escrita Criativa em Londres e Nova Iorque. Em 2001, venceu o Prémio Jovens Criadores na categoria de Literatura. Publicou os romances O Livro dos Homens sem Luz (2004); Hotel Memória (2007); As Três Vidas (2008), que recebeu o Prémio Literário José Saramago e cuja edição brasileira foi, em 2011, finalista do Prémio Portugal Telecom; O Bom Inverno (2010), finalista do prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores e do Prémio Literário Fernando Namora e cuja tradução francesa integra as obras seleccionadas para a 6.ª edição do Prémio Literário Europeu; e Anatomia dos Mártires (2011), finalista do Prémio Literário Fernando Namora, entre outros.

Os seus livros estão publicados em França, Itália, Brasil, Sérvia e Croácia. Trabalha como cronista, tradutor, guionista e formador em workshops de ficção.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...