Seguidores

sábado, 3 de abril de 2010

MIGUEL DE CASTRO HENRIQUES - Uma Menina de Sete Gatos ou o Saldo de Eüler



Livro Este é um livro de crónicas onde a imaginação não conhece limites, dando-nos a conhecer um mundo fantástico. As histórias são construídas de forma labiríntica, introduzindo elementos que por vezes não nos ajudam a encontrar a saída, mas pelo contrário nos fazem mergulhar ainda mais na leitura, inundando-nos de ficção. São pequenas odisseias onde tudo é possível, uma vez que nos encontramos no domínio dos sonhos das personagens e dos nossos próprios sonhos.
…………………………………

Miguel de Castro Henriques (Buenos Aires, 5 de Junho de 1954) é um escritor, poeta, pintor e tradutor, representante do surrealismo português.
Frequentou a Faculdade de Medicina de Lisboa e estudou filosofia na Faculdade de Vincennes, onde foi aluno de Gilles Deleuze. Durante a sua estadia em Paris em 1971 frequenta a Academia IFIF de La Petite Lune. Com João de Sousa Monteiro fundou o Movimento Abaldista ou Abald, em ano incerto, num golpe de sorte. Fez parte do grupo dissidente "Os Surrealistas" do qual fazem parte entre outros os seguintes poetas Virgílio Martinho, Herberto Helder, António Quadros, M.S.Lourenço, Nicolau Saião, Mário Botas, Hermínio Monteiro e Miguel de Castro Henriques. Mais tarde com Mário Cesariny e M.S.Lourenço fundou o Bureau Surrealista ainda em actividade.
………………………………

A MENINA QUE TINHA MUITAS REVISTAS DEBAIXO DA CAMA

“A menina era maga e tinha muitas revistas debaixo da cama.
Um dia, ia um gato a passar, a menina caiu da cama a baixo e bateu com os olhos numa das revistas.
Ficou a ver tudo pelo canto dos olhos.
Ao chegar ao canto das casas em que vivia só via revistas e ao ver só revistas só via cantos das casas.
Quando queria agarrar nas revistas só agarrava em pedaços de parede ou caliça e quando queria limpar ou pintar a caliça acabava por limpar ou pintar revistas.
A mãe ralhava-lhe:
- Ó menina porque estão as revistas todas brancas?
Ó menina porque estão as revistas todas molhadas?
A menina não dizia nada e começava a chorar, e chorava tanto que até o gato se afligia.
Quando o gato se afligia arranhava o tapete.
A menina chorou tanto e o gato arranhou tanto o tapete que o tapete acabou por ficar gasto.
Quando ficou gasto viu-se que por debaixo dele havia uma porta no chão.
A mãe passou e ralhou:
- Porque fizeste tu uma porta aqui?
- Não fiz porta nenhuma! – disse a menina.
- Limpa esta porta daqui! – disse a mãe.
E a menina começou a limpar a porta, mas como só via pelo canto dos olhos em vez de limpá-la dali, abriu-a, e encontrou uma escada que descia muito para o fundo e que era muito escura ao principio.
O gato foi à frente.
Desceram e desceram cada vez mais, até que chegaram a uma grande sala muito escura.
Num grande caldeirão que era uma retrete estava sentado o diabo; noutro grande caldeirão que era uma fonte estava sentado Deus.
Entre os dois corria um rio. Dentro do rio nadavam umas almas que pareciam peixes e outras que pareciam caranguejos e outras ainda que pareciam pérolas.
As almas de vez em quando punham a boca fora de água e deitavam um sopro branco, outras um sopro vermelho e outras ainda um sopro azul.
O diabo queria apanhar tanto o sopro branco como o vermelho e o azul. Mas Deus não deixava.
Quando o gato apareceu o diabo disse:
- O que é isto?
Deus disse que aquilo era um gato e que um gato era um bicho muito sossegado e muito irritável.
Depois apareceu a menina e e o diabo disse:
- O que é isto?
E Deus explicou que a menina não era bicho nenhum, era uma alma ou muito plácida ou muito frenética, e sempre imprevisível.
O diabo agradeceu a Deus a explicação e mergulhou no rio.
Depois apareceu outra vez à tona da água e trouxe um cordel, um anel e um farnel.
- Para que são essas coisas’ – perguntou Deus levantando-se da fonte.
-O cordel é para a menina amarrar o gato a ela, o anel é para a menina amarrar o amor a ela e o farnel é para a menina amarrar o estômago a ela.
E assim foi.
A menina e o gato depois de se despedirem seguiram viagem para mais fundo ainda do que o fundo do mar.
Viram cidades todas talhadas em rochas e palácios todos talhados em coral. Viram estátuas que abriam e fechavam a boca e viram lobos marinhos que escreviam em máquinas de escrever.
Viram golfinhos que andavam de chapéu de palha e viram muitos sóis a puxar os cabelos uns aos outros. Viram brâmanes que passavam o dia inteiro de língua de fora a dizer a letra”i” e viram crocodilos que passavam o dia de boca aberta a dizer “IEAOU”.
-Aonde estão as revistas? – Perguntou o gato excitado.
- aqui não há revistas nenhumas. Aqui tudo o que tu vês e ouves é a revista – , disse a voz
Ao ouvir a voz a menina ficou curada
Tirou o cordel de volta do pescoço do gato e na ponta do cordel pendurou o anel.
O anel voou, voou e voou (era uma anel mágico) e encontrou um príncipe.
A menina a principio julgou que o príncipe era um tolinho que só sabia dizer “iam” e “ão”. Depois viu finalmente que era um sapo.
Deu-lhe metade da comida do farnel.
A outra comeu-a ela e o gato.
Depois montou-se no sapo e foram aos saltos para uma terra onde não havia mães.
Que terra é esta? Perguntou o gato que corria aos saltos, muito divertido com o sapo e com a menina que não parava de rir.
Do cimo de uma árvore que era tão grande que chegava quase até ao sol veio uma voz que disse:
- Esta é a terra para além de toda a expectativa.”
Miguel Castro Henriques
(Assírio&Alvim)

1 comentário:

  1. Este livro deve ser um espectaculo gostei do conto da menina.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...